A Minha Carreira

Eles não sabem, nem sonham, que o sonho comanda a vida, António Gedeão

Archive for the category “Aprender ao Longo da Vida”

MIT lança programa-piloto de “micro-licenciaturas” online, gratuitas e certificadas

mitopenÉ certo que os certificados de conclusão de curso não são grátis — custam mil dólares (cerca de 897 euros) – e exigem aproveitamento nos exames finais, mas as instituições de ensino de renome estão convencidas que serão suficientes para convencer as empresas empregadoras.
As “micro-licenciaturas” são uma forma de aprender primeiro e pagar depois (ou nunca). O programa-piloto, lançado pelo MIT no início deste ano, registou 27 mil inscritos, dos quais 3.500 estão a trabalhar para obter o certificado. Todos estudaram num dos cinco cursos de “micro-licenciaturas” em logística, cada qual com uma duração de 10 horas, que, em contraste, no ensino tradicional do MIT duram 10 meses e admitem apenas 40 candidatos por ano.
“Trata-se de uma experiência a que chamo admissões invertidas”, explicou Rafael Reif, presidente do MIT. “Qualquer pessoa em qualquer lugar pode tentar tirar estes cursos online”, acrescentou, recordando como teve dificuldades em estudar na Venezuela, antes de dar aulas em Caracas e, após o doutoramento e ter dados em Stanford, foi contratado pelo MIT. “Se o conceito funcionar bem, pode expandir-se a outros setores do MIT”, acrescentou.
In “MIT inverte tradição: tire o curso primeiro, candidate-se (e pague) depois

Reflexões sobre o Plano Regional de Emprego da Madeira (8)

No âmbito do programa “Qualificação e Inserção profissional de jovens”, passemos à analise da terceira meta “Abranger 17.890 jovens em programas e ações de desenvolvimento de competências, qualificações escolares e profissionais”, tendo em consideração os critérios:
Pertinência: a meta é pertinente com a política definida no PRE Madeira (eixos estratégicos).
Coerência: a meta é parcialmente coerente com o programa “Qualificação e Inserção profissional de jovens” no que se refere à “qualificação de jovens” de acordo com o Catálogo Nacional de Qualificações mas não é coerente com “inserção profissional de jovens” pois os programas de qualificação escolar e profissional não visam, directamente, a inserção profissional;
Eficácia: o PRE Madeira não especifica os recursos a afetar a este programa/meta pelo que não é possível analisar se os recursos são adequados e suficientes para se atingir a meta de 17.890 de jovens;
Eficiência: o PRE Madeira contém um diagnóstico rudimentar sobre o desemprego regional, com muitas lacunas de informação, como por exemplo o número anual jovens em programas e ações de desenvolvimento de competências, qualificações escolares e profissionais de 2008 a 2012, pelo que não é possível analisar se a meta acima referida pode ser atingida com o menor custo anual, no período de 2012-2020;
Adesão: atendendo a que o PRE Madeira não refere a participação ativa de todas as partes interessadas na sua conceção, aprovação e implementação, pois refere a participação de algumas secretarias regionais e organismos da administração pública regional, mas não refere, por exemplo, a participação dos parceiros sociais.
Adaptabilidade: Não sendo conhecidos os relatórios anuais de acompanhamento/monitorização do PRE Madeira, não é possível analisar se o programa é aplicado com a flexibilidade adequada às condições e exigências do mercado de trabalho, assim como a evolução de 2012 a 2016.
Ver “Plano Regional de Emprego 2012-2020

Um jardim de infância que é um espaço de aprendizagem da cidadania

Curso online “Desenha o teu plano de carreira”

dtpc

Inscrição gratuita no curso “En busca de la felicidad laboral: Diseña tu plan de carrera” da Universidade de Cantabria.

As metas dos Centros Qualifica são uma utopia que faz lembrar os Centros Novas Oportunidades

Depois do programa Novas Oportunidades do Governo de Sócrates, dos Centros para a Qualificação e Ensino Profissional do Governo de Passos Coelho, o Governo de António Costa decide apresentar o programa Qualifica, para apostar na formação de adultos, tendo estabelecido as seguintes metas:
– que 50% da população ativa conclui o ensino secundário (atualmente apenas 26,1% da população ativa conclui este nível de ensino);
– alcançar uma taxa de 15% de participação de adultos em atividades de aprendizagem ao longo da vida e que esta seja alargada para 25% em 2025 (atualmente é de 9%);
– contribuir para atingir uma meta de 40% de diplomados do ensino superior, na faixa etária dos 30-34 anos (eram 31,9% em 2015);
– alargar a rede de Centros Qualifica, garantindo um total de 300 no continente até 2017, com abertura de 30 novos centros em 2016 e 32 em 2017.”

Por outras palavras as metas visam:
aumentar 91,6% a taxa de população ativa que conclui o ensino secundário;
Se em 10 anos esta taxa subiu apenas de 11,0% em 1998 para 15,30% em 2008, ou seja, apenas mais 4,3%, qual a credibilidade de estabelecer uma meta que, em 18 meses, aumenta 91,6%?;
Convém lembrar que o programa Novas Oportunidades, lançado em junho de 2007, tinha como meta para os jovens: Fazer do 12º ano o referencial mínimo de escolaridade para todos os jovens; colocar metade dos jovens do ensino secundário em cursos tecnológicos e profissionais, atingindo 145.000 vagas até 2010 e um total de 650.000 jovens abrangidos; aumentar para 27.500 as vagas de natureza profissionalizante ao nível do 9º ano.
aumentar em 67% a taxa de participação de adultos em atividades de aprendizagem ao longo da vida;
Se entre 2011 e 2014, em 4 anos, a taxa aumentou de 9,6% para 11,5%, ou seja, apenas mais 1,9%, qual a credibilidade de aumentar 6% em apenas 18 meses?;
Convém lembrar que o programa Novas Oportunidades tinha como meta para os adultos: qualificar um milhão de activos até 2010.
aumentar em 25% os diplomados do ensino superior, na faixa etária dos 30-34 anos;
Se entre 2005 e 2015, em 10 anos, a taxa subiu de 18% para 31,9%, ou seja 13,9%, será credível estabelecer uma meta que aumenta 25% em apenas 18 meses?
aumentar em 26% o nº de Centros Qualifica, de 238 para 300.
Tendo em consideração que o Qualifica arranca em Janeiro de 2017 e terá a duração de 18 meses, ou seja, até Junho de 2018, convém lembrar que o programa Novas Oportunidades tinha como meta expandir a Rede de Centros de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências de modo a atingir 300 Centros em 2008 e 500 em 2010.

Será que os Centros Qualifica não vão repetir os erros dos CNO? Quais os critérios de seleção dos responsáveis dos Centros Qualifica? Há um plano plurianual de formação dos formadores, técnicos e responsáveis dos Centros Qualifica? Qual é o modelo de governação, monitorização e auditoria dos Centros Qualifica?

tesalvdiplomados

O que aprendi com o Google é que nunca saberei o que deveria saber

Curso “Prepare-se para uma carreira de sucesso na Universidade”

future learn2

Aceder “Prepare for Career Success at University

A educação para o mundo do trabalho é irrelevante

Curso gratuito “Como Procurar um Emprego na Austrália”

curso australia

In “Australian Job Search: How to Get Started eCourse

64% dos empregadores pensam que a experiência internacional é muito importante

64%

64%2

64%3

64%4

In “Open the Door to the World”, Euroguidance e Erasmus+

Post Navigation