A Minha Carreira

Eles não sabem, nem sonham, que o sonho comanda a vida, António Gedeão

Na Madeira é comum o recém-licenciado assumir cargos para os quais não está preparado

madeirauiOu seja, as escolhas iniciais são já muito selectivas e a evolução na empresa, ou na organização, é feita muito na base do mérito, reconhecido pelos dirigentes e pelos próprios «pares». Não somos todos iguais, é verdade, mas sabemos todos fazer bem alguma coisa, e é nisso que devemos empenhar-nos.

Fará sentido falar neste tema aqui, na Madeira, onde é comum o recém-licenciado assumir cargos para que não esteve naturalmente preparado, e quantas vezes com acesso directo a chefias que exigiriam noutras latitudes, naturalmente, competência técnica, mas também, alguma experiência, por forma a conferir maior eficiência e eficácia á sua actuação na organização? Então, porque não fazê-lo?

Porque o que importa aqui não é «fazer bem as coisas certas» (o que deve ser feito) mas agradar ao chefe, no caso, pelo menos até hoje, «ao único». Foram tempos passados, dir-se-á, mas o que dizer do aparente unanimismo à volta do candidato do partido actualmente no poder que só pode significar que algumas pessoas rapidamente se acomodam ao novo poder instituído para manter enquadramentos profissionais ou de interesses que se manifestam mais pela «fidelidade» a quem manda do que pelo mérito próprio, tão caro aos ingleses, que mencionei.

In “O elogio da meritocracia

Anúncios

Single Post Navigation

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: